Arte

5 capas de álbuns icônicas da música 

Conheça a história por trás de cada uma delas e transporte esses sucessos para as paredes da sua casa

                                    

Existem músicas e artistas que atravessam as décadas sendo reconhecidos e admirados. E, seja você das gerações mais novas ou daquelas que curtiram o auge dos vinis, outro aspecto sempre é marcante: a capa desses álbuns consagrados.

As ilustrações ou fotografias utilizadas nas capas sempre vão além do caráter estético, pois carregam consigo uma simbologia e significado para as composições presentes naquela produção. Em alguns casos, elas fazem tanto sucesso que tornam-se um produto à parte, às vezes, mais reconhecidas do que até mesmo as próprias músicas.

Cheias de criatividade, selecionamos neste artigo cinco capas icônicas nacionais e internacionais e algumas obras do nosso acervo inspiradas nelas para você trazer a música para as paredes de casa. As artes, desenvolvidas por designers, artistas plásticos e fotógrafos também são cheias de história e curiosidades sobre suas origens. Por isso, contamos aqui um pouco mais sobre a criação de cada uma delas. Confira:

Abbey Road – Beatles (1969)

Obra: The Beatles – Abbey Road CM, por Camilo Mello

A capa de Abbey Road, o último disco dos Beatles, estampou mais de 30 milhões de cópias vendidas e a foto logo se tornou uma das mais famosas da história. A ideia aparentemente simples, mas revolucionária, foi de Paul McCartney: registrar todos os músicos atravessando a rua. A foto foi tirada no dia 8 de agosto de 1969, por Iain MacMillan.

The Dark Side of the Moon – Pink Floyd (1973)

O álbum The Dark Side of the Moon, muitas vezes lembrado no Brasil como o prisma do Pink Floyd, foi lançado em março de 1973. A capa do disco foi elaborada pelo estúdio Hipgnosis, responsável por grandes artes de capas de todos os tempos.

Seu significado, no entanto, ainda gera muitas discussões. A arte – um feixe de luz transpassando um prisma e se transformando em um espectro de cores – criada pelo designer Storm Thorgerson, alimenta diferentes interpretações e teorias da conspiração até hoje.

Para conseguirem ideias para o design, Storm e a banda chegaram a visitar as pirâmides do Egito. E, apesar das inúmeras ideias que podem surgir ao contemplar a capa, a arte corresponde ao objetivo do álbum: apresentar a complexidade de diferentes coisas que os músicos queriam tratar em suas músicas.

Verde Que Te Quero Rosa – Cartola (1977)

O álbum Verde que te quero rosa, lançado em 1977, foi o terceiro dos quatro LPs do sambista Cartola. A foto, uma das mais famosas da música brasileira, foi clicada por Ivan Klinger. A história do registro é curiosa: Cartola ficava impaciente em ensaios e já havia desmarcado com o profissional em diversas datas. Pressionado com os prazos, o fotógrafo decidiu produzir a capa de última hora, na casa do sambista.

 Ao chegar na residência, Cartola estava de saída, mas Dona Zica, esposa do mestre da mangueira, convenceu que o músico aguardasse e conversasse um pouco com Klinger. Ela serviu café aos dois em um conjunto de xícaras verde e rosa. Quando o fotógrafo notou as cores da escola presente nas peças, não pode perder o registro. A foto ficou tão boa que o diretor de arte do disco, Ney Távora, não permitiu que adicionassem o nome do álbum na capa.

Nevermind – Nirvana (1991)

O álbum Nevermind, do Nirvana, é considerado um dos mais consagrados do rock. Lançado em 1991, o disco foi um dos mais vendidos do mundo e superou Michael Jackson nas paradas da Billboard 200 no ano seguinte.

A famosa capa foi criada pelo fotógrafo subaquático Kirk Weddle. Na ocasião, ele telefonou para um casal de amigos perguntando se poderia realizar um ensaio com o filho deles de poucos meses, em uma piscina, para uma banda de rock em ascensão. O anzol com a nota de dólar foi inserido depois na imagem para criar o efeito visual. O recém-nascido que estampou a capa do disco é Spencer Elden e atualmente mora em Los Angeles.

NOBODY CAN LIVE FOREVER: THE EXISTENTIAL SOUL OF TIM MAIA – Tim Maia (2012)

“Sozinho, ele revolucionou a música popular brasileira, e se divertiu horrores enquanto fazia isso. Sua história contém todo tipo de excesso cômico, com algo para toda a família: drogas, mulheres, dinheiro, armas e até um culto a discos voadores. Ele REALMENTE viveu o sonho, sempre com um sorriso”. Esse foi o texto utilizado no lançamento do álbum NOBODY CAN LIVE FOREVER: THE EXISTENTIAL SOUL OF TIM MAIA, coletânea que homenageia o aniversário de 70 anos de Tim Maia.

Tiradas de discos gravados entre 1971 e 1978, o álbum lançado em 2012 reúne 15 músicas que traçam um resumo da trajetória do cantor, pioneiro do soul, funk e o R&B no Brasil.  A icônica capa psicodélica foi produzida pelos ilustradores Momo & Sprits.

Provavelmente você já viu essas capas por aí, certo? Já conhecia a história por trás de cada uma delas? Na Urban Arts você encontra milhares de obras de arte relacionadas ao universo musical. O que está esperando para trazer um pouco da sua banda ou artista favorito para dentro de casa?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: